O tornado que atingiu Moore, em Oklahoma nos EUA, deixou aproximadamente duas dezenas de mortos e centenas de feridos, e os prejuízos ainda estão sendo apurados, segundo um relatório recente. Logo após o evento, as redes sociais começaram a receber uma infinidade de tweets e postagens de relatos sobre os danos em primeira mão, além de uma quantidade enorme de esperanças, bons pensamentos e orações - como já era de se esperar. Em campo, muitas organizações de ajuda humanitária se mexeram para ajudar àqueles cujas vidas tinham acabado de ser drasticamente modificadas pelas tempestades.

Mas qual foi a reação das pessoas que não só acreditam em um criador divino, mas também afirmam conhecer a mente do criador ou ter uma ligação direta com a divindade? Em primeiro lugar, eu verifiquei o que a maior organização cristã em todo o mundo estava fazendo, para ver que ajuda estava vindo de seu líder. A resposta do Vaticano foi oferecer orações, mas não ajuda. Aqui estão algumas citações de notáveis orações públicas do papa Francisco, Bispo de Roma:

"Rezemos pelas vítimas e desaparecidos, especialmente as crianças, atingidos pelo violento tornado que atingiu a cidade de Oklahoma ontem. Escutai-nos, Senhor."

"Conscientes da trágica perda de vidas e da imensidão do trabalho de reconstrução que temos pela frente, ele pede ao Deus Todo-Poderoso que conceda descanso eterno aos que partiram, conforto aos aflitos e força e esperança aos desabrigados e feridos."

"Sobre os líderes civis e religiosos locais e sobre todos os envolvidos nos esforços de ajuda, Sua Santidade invoca do Senhor Ressuscitado os dons de consolação, força e perseverança em todo o bem."

Pat Robertson, um conhecido líder cristão, deu suas repugnantes opiniões sobre os tornados no “The 700 Club”. Sua resposta pode ser resumida como "é culpa deles mesmos". De acordo com Robertson, o onisciente, onipotente, onipresente pai do céu não enviou os tornados; ele apenas colocou as correntes atmosféricas no local. É totalmente culpa das vítimas por terem construído casas lá, em primeiro lugar, e se tivessem orado mais, ou talvez mais fortemente, eles poderiam ter sido salvos do desastre. Sua falta de compaixão misturada com uma imagem arrogante de "conhecedor da vontade de Deus", deve ser o suficiente para virar o estômago de qualquer não-sociopata.

Com todo o dinheiro que o Vaticano recebe de seus próprios membros, para não falar de "doações" coagidas a fim de comprar a "salvação" da Igreja, não poderia a Santa Sé nem mesmo sugerir a doação de fundos ou tempo para os necessitados? Sobretudo, fazer uma doação de seus cofres transbordantes? Eu não pude encontrar uma única declaração incitando os seguidores a doar dinheiro ou tempo. Estou certo de que grupos católicos locais estão fazendo o que podem para ajudar os necessitados, e não estou sugerindo o contrário. Pessoas boas farão coisas boas para ajudar seus iguais. Felizmente isso é verdade, mesmo que a pessoa que elas escolhem como representante de sua divindade não se preocupe em dizer-lhes que eles deveriam fazer assim.

Billy Graham tem sido apontado como um dos líderes cristãos mais reconhecidos na América. Bem, vamos dar o devido crédito. Uma organização de apoio chamada “Samaritan’s Purse“ (Bolsa do Samaritano), que está associada com o trabalho de Billy Graham, esteve em campo dando apoio e ajudando na reconstrução, desde o clarear do céu. Eles fazem isso dizendo aos sobreviventes que Deus estava olhando por eles, enquanto seu grupo-irmão, os “Billy Graham Chaplains” (Capelães Billy Graham), dão conselhos e apoio "espiritual". Enquanto eles certamente parecem estar fazendo mais bem do que mal, eu devo perguntar: eles estão tirando proveito de uma situação horrível, a fim de empurrar a agenda da igreja a vítimas suscetíveis? Pessoas que sofreram e tiveram perdas, esperam ansiosamente por respostas, mesmo que haja pouca lógica por trás dessas respostas. Pelo menos este grupo está fornecendo ajuda real para os que precisam, além dos sermões - embora o conforto proporcionado pelos capelães, para mim, parece muito fugaz e, na realidade, apenas serviria como um lembrete de que, enquanto Deus decidiu me salvar, parte dessa decisão era não resgatar as crianças que foram mortas na escola, ou meus vizinhos e entes queridos. É minha opinião que tal divindade, se existe, não merece adoração nem deveria ser agradecida por sua, assim chamada, misericórdia.

À medida que a tempestade causou um aumento gigante nas postagens de oração (que eu vejo como nada mais do que aquilo que eu chamaria de Indolentivismo Religioso), algumas mensagens de ateus proeminentes começaram a aparecer também, para combater as orações, não tanto para desacreditar ou contraminá-las, mas para desencorajar a ideia de que as orações teriam efeitos reais, significativos. As postagens sugeriam doações. Um exemplo tuitado por Ricky Gervais dizia que "A melhor maneira de ajudar as vítimas do desastre é doar a http://redcross.org ou enviar o texto REDCROSS para 90999. #FazerAlgoDeVerdadePorOklahoma". Muitos cristãos se sentiram ofendidos com a ideia de um ateu sugerir que eles não estavam realmente fazendo algo para ajudar. Eles ignoraram completamente o fato de que Gervais estava incentivando as pessoas a ajudar uns aos outros. Eles estavam mais concentrados em como suas ações (ou falta delas) estavam sendo menosprezadas.

Uma história que recebeu um monte de atenção da mídia veio da CNN. Ao entrevistar uma dos sobreviventes das tempestades, Wolf Blitzer cometeu o erro de presumir que qualquer um que sobreviveu seria grato a Deus, e perguntou a uma jovem chamada Rebecca Vitsmun se ela era grata a Deus. Ela educadamente respondeu "Na verdade eu sou ateísta". Bom para ela! Teria sido muito fácil simplesmente dizer "Oh, nós somos gratos", ou qualquer coisa igualmente ambígua, de modo a não se declarar publicamente ateísta, mas ela optou por não fazer isso. Tal declaração, se tivesse sido feita há 50 anos, teria tido um efeito devastador sobre a vida desta mulher. É bom que tenhamos feito progresso suficiente para que, pelo menos até agora, a resposta negativa a ela tenha sido completamente esmagada pela positiva. O comediante Doug Stanhope começou uma arrecadação dizendo "É importante que a nossa comunidade mostre que daremos apoio quando você se declarar publicamente um ateu". Naquela época, Sean Faircloth tuitou "Doe ao fundo para a família da vítima ateísta do tornado, ou para alívio geral, ou ambos. Opções aqui: http://on.fb.me/11foemB ", acrescentando uma enorme audiência de não-crentes para a causa. A Atheists Unite (Ateístas Unidos) arrecadou mais de US$ 100 mil em favor de Rebecca e sua família. Becky Garrison escreveu um artigo detalhando a história de apoio entre os ateístas.

Comparar a quantidade de doações e ajuda providas por ateístas e religiosos pode parecer trivial ou insignificante, mas há uma razão para eu fazer a distinção. Minha opinião é que, se as pessoas oram, postam no Facebook e tuitam, elas são menos propensas a doar e se envolver diretamente no apoio àqueles que precisam de ajuda. Afinal de contas, eles já fizeram a sua parte orando, certo? Isso é bom o suficiente para ainda entrar no Céu! Enquanto isso, os ateístas sabem que orações ou bons pensamentos não servem de ajuda direta às vítimas. Portanto, ateístas são mais propensos a realmente agir e fazer o que podem para aliviar o sofrimento dos outros. Na minha mente, isso faz com que eles sejam mais compassivos, atenciosos e cuidadosos. Nós ateístas sabemos que só temos esta vida e que precisamos fazer o melhor para nós e para todos que encontramos. Esperar que Deus faça alguma coisa é a maior perda de tempo.